Se propondo a reconstruir a antiga religião egípcia, o Kemetismo cultua os antigos Deuses do Egito, revivendo seus ritos e mistérios. Proveniente do termo “kemet” que significa algo próximo a “terra negra”, o nome utilizado pelos egípcios para se referir à sua terra. A palavra faz alusão aos campos de plantação às margens do rio Nilo que, ao alagar as terras próximas, traz o lodo negro que fertiliza a terra.

A partir dos ensinamentos, práticas meditativas e rituais sagrados de purificação, Queen Afua nos convida a conhecer os mistérios do Antigo Egito em sua obra Mulher Sagrada. Embarque conosco nesta jornada e descubra essa fascinante religião chamada Kemetismo!

Queen Afua, autora do livro Mulher Sagrada.

História do Kemetismo

Os anos 1960 e 1970 viveram a ascensão das crenças neopagãs. Mas foi em 1988 que nasceu a Kemetismo, quando Tamara Siuda, durante sua iniciação na Wicca, teve visões com antigos deuses egípcios solicitando que reavivassem seu culto. Siuda abandonou a Wicca, e iniciou aquela que ficou conhecida como Ortodoxia Kemética.

Embora utilize fontes sobre as antigas práticas egípcias de culto aos seus deuses, Siuda também bebeu de outras tradições religiosas africanas, bem como suas variações e sincretismos sofridos por conta da escravização do povo africano.

Em 2003, era inaugurado um Templo, em Illinois, nos Estados Unidos. O santuário oferece aulas de língua egípcia e magia Kemética, entre outras atividades.

O Kemetismo, hoje, possuí vários adeptos em todo o mundo, praticando sua crença em grupo ou sozinho. Porém, seguindo os mesmos preceitos característicos deste sistema religioso, como: os cinco pilares da crença Kemética, que veremos a seguir.

As bases da crença Kemética

As bases ou pilares do Kemetismo não são considerados dogmas, e sim norteadores da prática religiosa, de modo que os diversos membros mantenham a mesma cultura. Podendo sofrer variações, conforme a compreensão do adepto. Composta de cinco ou quatro bases, que são:

Maat

Deusa que personifica a justiça universal, a ordem cósmica, o equilíbrio e a verdade, Maat é a base do Kemetismo. Este pilar está ligado a sabedoria e intuição sobre a funcionalidade da vida. Permeando todos os aspectos da existência, Maat é a orientação ética do espírito.

Akhu

Este princípio revela a importância e a necessidade do culto aos ancestrais. Honrá-los é garantia de felicidade ao chegar no Duat (reino habitado pelas almas que passaram no julgamento do Salão das Duas Verdades).

Nejter

O Poder Divino, Nejter corresponde a “tudo que é”. Chamado “Auto-Criado”, é aquele que existe sem um começo e sem um fim, e se manifesta sob diversas formas, Netjeru (Deuses).

Nisut

Também chamado Nisut-Bity, é o líder espiritual do Kemetismo. Seu conceito é semelhante ao do Faraó no antigo Egito, porém não é adorado como um Deus. O Nisut deve cumprir com alguns ritos como, a imposição de Maat e orações diárias em prol dos membros. Bem como aconselhá-los sobre questões religiosas..

O Kemetismo Ortodoxo incentiva e fomenta a vida em comunidade, a vida em família e todas as relações humanas, os membros se consideram uma extensão de suas famílias.

Ficou interessado em saber mais? Se você gostou da matéria, dê uma olhada neste best-seller internacional Mulher Sagrada.

Livro Mulher Sagrada
Livro Mulher Sagrada.